quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Imprensa Oficial doa livros para a campanha ‘Livro Viajante’ da Infraero


O governo do Estado, por meio da Imprensa Oficial do Estado (IOE), doou 400 livros de autores paraenses para a campanha ‘Livro Viajante’, desenvolvida pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A ação, que faz parte das comemorações pelo Dia Nacional do Livro, aconteceu nesta quarta-feira, 29, no Aeroporto Internacional de Belém. Até a próxima quarta-feira, os passageiros poderão retirar gratuitamente um ou mais exemplar dos mais de mil disponíveis em vários pontos dos terminais, com o compromisso de, depois de ler, devolver a obra em algum aeroporto da empresa para que outras pessoas possam ler também.
A ajudante de cozinha Maria Robere Barbosa, de 35 anos, que junto com o filho, Flávio Barbosa da Silva, havia chegado de São Luiz (MA), e esperava para embarcar para Altamira, aproveitou o tempo entre uma conexão e outra pra botar a leitura em dia. Com um livro de poemas na mão, ela aprovou a iniciativa da Infraero, em parceria com o projeto Livro Solidário da IOE. “Foi uma surpresa muito boa encontrar esses livros pra distrair a mente e esperar o nosso próximo voo”, contou. “Mais iniciativas como essa deveriam acontecer, pois é uma forma de incentivar o hábito da leitura”, constatou.
A professora Vitória Maria Leite, que esperava um amigo que vinha de outro estado, levou o pequeno Artur, de cinco anos, pra conhecer o projeto. “Ele gosta muito de ler, e eu e o pai dele, lemos muito pra ele. É uma forma de incentivá-lo a gostar cada vez mais dos livros”, pontuou. Artur pegou um dos exemplares do livro “Aventuras da Bíblia” editado pela Sociedade Bíblica do Brasil, doados para o projeto Livro Solidário.
“Além desses exemplares nós selecionamos vários outros de autores paraenses para compor o acervo do Livro Viajante como uma forma de divulgar a literatura que é produzida no nosso estado”, contou a técnica do Livro Solidário, Lucila Girão. “É uma forma de fazer com que pessoas de todo o Brasil conheçam as belezas do Pará por meio dos livros dos nossos escritores”, concluiu.
Segundo o superintendente regional da Infraero, Abibe Ferreira Júnior, a leitura é uma ferramenta de inclusão social, “por isso é importante disponibilizar a leitura para a população”, pontuou. “E os passageiros que pegam esses livros, mesmo que não devolvam vão ter momentos de lazer por meio dos livros. Entre um voo e outro, dá tempo de fazer uma boa leitura. Isso torna a viagem mais tranquila e um livro é sempre uma boa companhia”, finalizou.
A coordenadora do Livro Viajante, Odilene Amazonas, disse que qualquer pessoa pode contribuir com o projeto que está em sua segunda edição.  “Se você tem um livro que queira doar pode deixa-lo em qualquer balcão da infraero, ou pode ligar para o telefone 3210-6017, que vamos busca-lo”, esclareceu.
 



 

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Distribuidoras fazem doações para o Livro Solidário


Várias distribuidoras que estão expondo seus produtos na XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, em Belém, fizeram doações de livros para o projeto voluntário Livro Solidário, que vai repassá-los aos "Espaços de Leitura" implantados em escolas, centros comunitários, Ongs, entre outros.

A Distribuidora de Livros do Maranhão (Distelma) foi uma das que fizeram doações de livros infantis para o projeto, além da Fases Livros, Atacadão do Livro, e o público em geral. Segundo Yasmin Christie Araújo, uma das proprietárias da empresa, desde que a família dela conheceu o Projeto coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), eles se identificaram com a proposta.

Ela contou que o pai dela, Paulo Araújo, também ajuda instituições que lidam com o incentivo à leitura de crianças, no estado do Maranhão.  “Ele gosta muito de ajudar projetos e instituições que lidam com educação, principalmente de crianças, que serão nossos futuros leitores”, pontuou.

Mas essa não é a primeira vez que a Distelma faz doações para o Livro Solidário. A primeira foi em 2012. Nos anos seguintes, sempre que vem para a Feira Pan-Amazônica do Livro, os proprietários reservam vários títulos para serem doados.

“Os livros doados irão fazer a alegria de muitas crianças. O nosso muito obrigado aos nossos parceiros que sempre selecionam excelentes livros para serem entregues ao Livro Solidário”, agradeceu a técnica do projeto, Lucila Girão.

 

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Livro Solidário incentiva à leitura entre crianças da Condor


Estudantes de escolas do bairro Condor, em Belém, participaram da Ação Leitura, promovida pelo projeto voluntário Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), na tarde desta quarta-feira, 4. A programação ocorreu no Centro Comunitário São Lourenço, ligado à Paróquia de Santo Antônio de Lisboa, onde funciona o projeto de reforço escolar Divina Providência, mantido por voluntários.

Cerca de 50 crianças, com idades entre 6 e 10 anos, ouviram histórias, participaram de truques de mágica e apresentaram números musicais, além de receberem kits de colorir e cerca de 200 livros da temática infanto-juvenil, resultado de doação da comunidade ao projeto Livro Solidário.

Segundo a coordenadora do projeto Divina Providência, Deusarina de Almeida, essa foi a forma que eles encontraram de aproximar as crianças da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, que ocorre até domingo (8), no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. Ela contou que as crianças perguntavam quando iam visitar a Feira do Livro, “mas como não temos condições de fretar um ônibus para leva-las até o Hangar, resolvemos fazer essa programação literária para aproximá-las do universo da leitura”, disse.

Deusarina contou que as crianças que frequentam o centro comunitário têm dificuldades no aprendizado na sala de aula. “Aqui, além do reforço na leitura, eles participam de outras atividades ligadas ao esporte e arte”, reforçou a coordenadora. A animação era evidente nos rostos das crianças. Paulo do Rosário Peixoto, de 6 anos, foi chamado para ser “assistente de palco” do mágico, que participou voluntariamente da Ação Leitura. Ele ficou encantado com os truques apresentados, assim como as outras crianças.

Clarissa Xavier Furtado, 10 anos, contou que gosta muito de histórias em quadrinhos, principalmente as da personagem Mônica, de Maurício de Souza. Ela disse que gosta muito de ler e que a leitura a ajuda com “as lições de casa”. “A gente compreende melhor o que a professora pede”, comentou. Segundo a técnica do Livro Solidário Lucila Girão, os livros doados irão reforçar a biblioteca do Centro Comunitário São Lourenço e contribuir para que as crianças tenham mais estímulo na hora da leitura.

“Aqui elas têm um espaço em que, na hora do recreio, podem aproveitar para pegar um livro e ler. Elas também vão poder levar esses livros para casa emprestados, com a orientação dos voluntários do centro”, pontuou. “É gratificante contribuir para o incentiva à leitura dessas crianças, e é também uma forma de fazer com que elas participem, mesmo simbolicamente, da Feira Pan-Amazônica do Livro”, finalizou a técnica.



 
Fotos: Lenna Arruda

terça-feira, 3 de junho de 2014

Projeto Livro Solidário leva ação de leitura às crianças carentes da Condor



Crianças do bairro da Condor vão participar da Ação Leitura promovida pelo projeto voluntário Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE). A ação vai acontecer nesta quarta-feira, 4, às 15 horas, no Centro Comunitário São Lourenço, no bairro da Condor, e deve reunir cerca de 50 crianças na faixa etária dos seis aos dez anos de idade. Elas vão participar de atividades lúdicas de incentivo à leitura, contação de história e aprender truques de mágica.

“Usando uma casinha e os fantoches, vamos dar as boas vindas para a criançada, estimulando a interação deles com o público, falar sobre a doação de livros, incentivar o empréstimo e mostrar o cuidado que se deve ter com os livros dentro do Centro e ao levar para casa”, informou Carmen Palheta que coordena o Livro Solidário pela IOE.

Os pequenos vão conhecer a história da Cigarra e a Formiga que aborda o tema da organização em grupo e a disposição para o estudo. A fábula será demonstrada também por meio da música. “As crianças farão apresentação de música juntamente com suas professoras e leitura cantada de poemas” antecipou Lucila Girão, técnica do projeto.

Além disso, as crianças também serão surpreendidas com a chegada de um mágico que é voluntário do projeto, e que promete prender a atenção da garotada com várias brincadeiras. No final do evento haverá distribuição dos kits de material educativo e livros com histórias infantis, todos resultado de doação da comunidade em geral ao projeto Livro Solidário.





 
 
 

 

 

terça-feira, 20 de maio de 2014

Crianças de Mosqueiro recebem Ação Leitura do projeto Livro Solidário


Cerca de oitenta crianças da Unidade de Educação Infantil Maracajá, do distrito de Mosqueiro, região metropolitana de Belém, tiveram uma manhã diferente nesta terça-feira (20). Elas participaram da Ação Leitura do projeto de voluntariado de incentivo à leitura ‘Livro Solidário’, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado. Os bonecos de fantoches Zeca e Bia deram as boas vindas aos meninos e meninas com idades entre quatro e oito anos, da UEI Maracajá que funciona no sistema de creche. Logo depois, elas acompanharam uma sessão de leitura da história ‘A Cigarra e a Formiga’, contada por uma integrante do projeto.

As crianças ouviram atentas à história, sempre dialogando com as personagens. Juan Vinícius Ramos Castro, de sete anos, gostou da ação e disse que sempre procura na biblioteca da Unidade livros “com historinhas” pra ler. As preferidas da estudante Eduarda Vitória Lobato, também de sete anos, são as de princesa. Ela contou que pegou um dos livros da biblioteca montada pelo projeto Livro Solidário na escola que contava a história de uma princesa e “gostou muito”. Depois ela pediu ao pai pra comprar um DVD “cheio de princesas” que assiste sempre acompanhada das amiguinhas.
A diretora da Unidade, Iracema Cezar, classificou o projeto como de extrema importância para o incentivo à leitura entre os alunos. “Eles visitam a biblioteca sempre acompanhados dos monitores e pedem os livros pra ler, e também podem levar pra ler em casa”, contou, acrescentando que os alunos já conhecem o seu número de matricula na hora de pedir os livros pra ler. “É muito intensa a participação deles na biblioteca”, frisou.
Para a professora Camila Barreto, a leitura tem uma função social, pois “faz com que as crianças desenvolvam o raciocínio lógico, fiquem mais desinibidas em sala de aula, aprendam de forma lúdica, fiquem mais atentas, além de melhorar a fala”, contou. Camila disse que, mesmo com todas as dificuldades enfrentadas pela Unidade, eles continuam dando continuidade ao projeto de leitura instalado a partir do Livro Solidário.
Segundo a coordenadora do Livro Solidário, Carmen Palheta, ações de leitura como a que aconteceu na manhã de hoje em Mosqueiro, são uma forma de dar continuidade ao projeto depois que é implantado o Espaço de Leitura. “Não basta só instalar a biblioteca; temos que criar ações para dar continuidade às atividades de estímulo à leitura e este momento faz parte dessa etapa do projeto”. “Os livros que são doados pelo projeto também podem ser usados por outros professores de outras escolas do bairro, e pela população também. Cabe ao professor orientar esse acesso”, completou Lucila Girão, técnica do Livro Solidário.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Mosqueiro recebe Ação Leitura do projeto Livro Solidário


Nesta terça-feira, 20, o projeto Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado, vai realizar uma Ação Leitura no Centro Comunitário do bairro Maracajá, em Mosqueiro. A iniciativa – que já ocorreu na ilha de Urubuoca e em praças de Belém envolve, além da leitura, contação de história e teatro de fantoche. As crianças também vão receber kits de livros para colorir. O evento está marcado para começar a partir das 10h, com a presença de alunos, professores e moradores do bairro.

O Espaço de Leitura do Livro Solidário está instalado, desde 2012, na sede da ONG Viva Mosqueiro. O espaço conta com um acervo de 1.400 livros, incluindo enciclopédias, dicionários, literatura infanto-juvenil, livros didáticos do ensino fundamental ao médio, entre outros, beneficiados professores, alunos e outros segmentos sociais. Além do incentivo à leitura, a ONG oferece cursos de capacitação profissional e atividades de geração de renda, como forma de auxiliar moradores da ilha a encontrar alternativas de trabalho.

Um dos principais objetivos do projeto Livro Solidário é transformar a realidade de pessoas em situação de vulnerabilidade social, por meio do incentivo à leitura e à educação. Para Cláudio Rocha, presidente da Imprensa Oficial do Estado (IOE), o trabalho é fundamental para o desenvolvimento da comunidade. “É uma satisfação poder contribuir para o crescimento das pessoas, sobretudo por meio de uma iniciativa de fomento à educação, como o Livro Solidário”, frisou.